Q&A: Máquinas podem inovar como as pessoas?

Máquinas podem inovar como as pessoas? – José Henrique

Olá José Henrique, talvez o maior paradigma na área de inovação nas empresas seja a máxima de que ela é o processo de transformar uma ideia criativa em um produto ou serviço que gere valor.
É evidente que criatividade e inovação, são, por definição, coisas diferentes.
Mas essa diferença não pode se tornar um paradigma que nos faça ficar míopes ao que realmente é necessário para inovar. E, na minha opinião, essa miopia é generalizada, pois os processos de inovação, na maioria das empresas, buscam encontrar formas de dividir o problema de uma forma errada.
Acredito que se desejamos inovar de fato, dificilmente isso será feito sem a real valorização do criador das ideias, ou do que chamo de origem criativa, e, principalmente, sua liderança em todo processo, o que raramente acontece.
E isso acontece porque a inovação, quase sempre, é caótica, ou, no melhor dos casos, caórdica.
Mas, apesar disso, existem várias soluções no mercado que buscam encontrar uma ordem para a inovação. Nenhuma crítica a elas, apenas quero reforçar como isso ajuda a formar o paradigma descrito anteriormente, onde todos perdemos e devemos buscar formas de evoluir.