Robôs: o novo paradigma dos computadores

Não faz muito tempo, um pouco mais de 50 anos, e parecia absurda a ideia de computadores residenciais.

Mas, através de ombros de gigantes, hoje temos muito mais que isso, com sistemas portáteis que circulam nos formatos mais diversos, de notebooks a smartphones.

E se você voltar nesse tempo, e paradigma, acredito que ficará mais fácil entender o tempo atual, pois na minha opinião vivemos exatamente o mesmo desafio, mas para um outro dispositivo: os robôs.

Não estou falando aqui de apenas software, ou de Robôs Artificiais, como prefiro definir eles — como um Web crawler, RPA ou robô investidor — mas de robôs com partes físicas, executando tarefas físicas, e até mesmo com formato humano e as mais variadas características antropomórficas.

Robôs e tarefas físicas

Novos ombros de gigantes estão nos levando para uma realidade dos robôs humanoides residenciais, afinal, como acontecia com os computadores, de forma exclusiva,  em muitas empresas e universidades, como o MIT, eles já são uma realidade.

Você consegue imaginar um robô assim em sua casa, ou executando atividades nas ruas, como nos livros de Asimov?

Se você respondeu que não, pense que talvez os smartphones sejam o mais próximo desse novo paradigma, mas de uma forma totalmente lógica, executando atividades não físicas, digamos assim.

A tal ponto que, não parece ilógico que o celular do futuro seja um robô, e seu smartphone seja apenas um controle remoto dele.

Seja como for, minha linha de pensamento é que os paradigmas são semelhantes, diferenciados apenas pelo gap de tempo, e, principalmente, tecnológico.

____
Rogerio Figurelli – @ 2019-09-27